h1

Prateleira C

O Guia do Mochileiro das Galáxias

Resumo da obra

A história começa com a destruição do planeta Terra e de todos os seres vivos que lá viviam, com exceção dos golfinhos (que tentaram avisar os humanos, mas a mensagem foi entendida como dois saltos mortais de costas, assoviando o hino nacional dos EUA) e de dois humanos. Um deles era Arthur Dent, que pegou carona numa nave Vogon graças a Ford Prefect, um amigo extraterrestre seu.

Quando os burocráticos vogons descobrem que há passageiros em sua nave, eles logo tratam de torturá-los e de jogar eles ao espaço. Por um incrível fator de improbabilidade, Arthur e Ford, são salvos pela nave Coração de Ouro que é tripulada por Zaphod Beeblebrox e Trillian.

Zaphod era o presidente da galáxia até se raptar e roubar a tal nave, ele fez isso para que pudesse ir atrás da pergunta fundamental, cuja resposta era 42. Para encontrar a pergunta, eles viajam até Margathrea, uma fábrica de planetas que construiu a Terra (um computador de mecanismos biológicos capaz de gerar a pergunta). No final eles fogem da polícia intergaláctica e vão jantar no Restaurante do Fim do Universo.

Autor

Douglas Adams, nascido em 1952, foi um grande escritor e comediante britânico, ficou famoso após escrever para uma série televisiva, que tinha humor ‘sem sentido’, e pela série de rádio que criou (O mochileiro das galáxias), a qual pelo grande sucesso que fez virou livros, jogos e filmes.

Ele foi um amante dos automóveis, câmeras, computadores, entre outras coisas ligadas a tecnologia, também era um ateísta radical. Adams era um entusiasta de novas tecnologias, como o e-mail e o usenet, que mesmo antes de se tornarem conhecidos ele já havia escrito sobre eles. Também era um professor bastante requisitado de coisas que incluía ambiente e tecnologia.

Biografia

Douglas Adams nasceu em Cambridge, Inglaterra, filho de Janet Donovan e Christopher Douglas Adams. Seus pais se divorciaram, ele teve de se mudar para a casa de sua avó materna com sua mãe e irmã em Brentwood. A sua avó cuidava em casa de animais machucados, fazendo com que atacasse ainda mais a febre de fenos e a asma.

Sua irmã casou e teve um filho, Heather, que foi uma meia-irmã para ele. Sua mãe casou-se novamente, a qual teve mais dois filhos.

Adams faleceu em 11 de maio de 2001, aos 49 anos de idade em um ataque cardíaco.

Curiosidades

No início Douglas Adams fez uma série para rádio, cuja a primeira transmissão foi no Reino Unido, em 1978, e depois de muitas modificações, foi dividida em uma saga de romances em cinco partes.

Todos os livros usam o humor para falar de política, pessoas, burocracia, situações bizarras e religião.

Os cinco livros são: O Guia do Mochileiro das Galáxias, O Restaurante no Fim do Universo, A Vida, o Universo e Tudo Mais, Até logo, e Obrigado pelos Peixes, Praticamente Inofensiva.

Foi feito um filme baseado no primeiro livro, em que Douglas Adams morre antes de acabar. Abaixo segue sinopse do filme:

“Arthur Dent (Martin Freeman) é um homem normal, que está tendo um péssimo dia. Após saber que sua casa está prestes a ser demolida, Arthur descobre que Ford Prefect (Mos Def), seu melhor amigo, é um extra-terrestre e, para completar, fica sabendo que a Terra está prestes a ser destruída para que se possa construir uma nova auto-estrada hiperespacial. Sem ter o que fazer para evitar a destruição de seu planeta, Arthur só tem uma saída: pegar carona em uma nave espacial que está de passagem. Ele passa então a conhecer o universo, sendo que tudo o que precisa saber sobre sua nova vida está contido em um valioso livro: o Guia do Mochileiro das Galáxias.”

O dia da Toalha

É comemorado no dia 25 de maio em homenagem aos fãs do primeiro livro. A toalha é muito importante para os “viajantes da galáxia”, a qual seria útil para as mais variadas e inimagináveis situações. Esse dia é uma homenagem a morte de Douglas Adams, e um agradecimento por ele ter feito grande parte do mundo rir, por isso inventaram algo irônico também. No dia, os fãs ficam com uma toalha o dia inteiro sendo comemorado esse dia em vários países.

Conclusão

É possível ver a obra sob dois olhares, sendo que em um deles O Guia do Mochileiro das Galáxias se apresenta de forma totalmente confusa, este é um olhar sobre a história e nada mais. Porém se olharmos de uma forma crítica, o livro apresenta diversas críticas e pensamentos sobre o mundo moderno, mas também sobre antigos hábitos humanos.

Como exemplo temos a idéia humana de que o homem tem sempre algo especial ou que ele é superior as outras formas de vida da Terra, contra esses “conceitos”, Douglas Adams, rebate dizendo em sua obra que o homem é apenas a terceira espécie mais inteligente do planeta e que n’O Guia está classificada como praticamente inofensiva.

Além dos pensamentos humanos, a obra põe abaixo a idéia de que a resposta da vida, do universo e tudo mais é grandiosa, sendo que é a resposta é apenas 42. O autor também atribui personalidade aos objetos, como as portas que sentem prazer ao abrir e quando fecham ficam felizes por mais um serviço bem feito.

Logo o livro ajuda a vermos a nossa insignificância perante o universo e os próprios sistemas criados por nós mesmos, já que o universo, o sistema e a Terra continuam e continuarão seguindo com uma vida humana a menos, mas nós não podemos viver sem eles.

Anexos

http://jovemnerd.ig.com.br/nerdcast/nerdcast-209-douglas-adams-a-vida-o-universo-e-tudo-mais/ (Nerdcast/Podcast sobre o assunto)



Douglas Adams

Capa do livro

Leitores: Bruno, Fernando, Lucas Eduardo, Matheus e Roberto.

_______________________________________________________________________

O Símbolo Perdido

“O Símbolo Perdido é denso, exótico, cheio de códigos e pistas, imagens impressionantes e a dinâmica incessante que torna impossível deixá-lo de lado. Esplêndido. Outra história arrebatadora de Robert Langdon.” – The New York Times

O Símbolo Perdido (The Lost Symbol), de Dan Brown, tem como principal tema a Maçonaria, e seus secretos símbolos espalhados pelos Estados Unidos e pelo mundo.

O livro conta a história de Robert Langdon, que é convidado às pressas por seu amigo Peter Solomon, maçom, a dar uma palestra no Capitólio dos Estados Unidos. Ao chegar lá, descobre que caiu numa armadilha. Não há palestra nenhuma, Solomon está desaparecido e, ao que tudo indica, correndo grande perigo. Mal`akh, o sequestrador de Solomon, acredita que há um tesouro escondido em Washington, que dá poderes sobrenaturais, e que só Robert Langdon pode ajuda-lo a encontrar. Junto com Katherine Solomon, entra em uma corrida aluçinada pelos principais pontos de Washington, em busca do grande Símbolo Perdido, e com isso salvar a vida de Peter Solomon.

Tudo isso, com uma narrativa rápida e emocionante, despertando o interesse dos leitores por temas variados, como ciência noética, teoria das supercordas, e claro, diversas obras de arte. O que se destaca é que apesar de termos uma surpresa quanto á identidade do verdadeiro conspirador, já não encontramos aquele cliché em que o vilão é, afinal, o aliado mais inesperado.

Apesar de todos esses temas, e de todo o enredo da história, o que se destaca no livro mesmo e o que o deixa tão intrigante é a revelação de muitos segredos da Maçonaria, sociedade secreta que é coberta de mistérios e polêmicas relacionadas a ela. O livro também desafia alguns dogmas religiosos, o que o deixa ainda mais intrigante.

O Símbolo Perdido causou além de grande admiração por parte de muitos e ter ficado por meses na lista dos mais vendidos, polêmicas relacionadas ao que era verdade e ao que era ficção sobre os rituais e crenças maçônicas. Foi tema de outros livros que afirmavam o desvendar, filmes, e também de documentários e reportagens, além de ter sido capa de diversas revistas de prestígio nacional e internacional.

Como já mencionamos, a Maçonaria é coberta de mistérios e tem grande influencia sobre o mundo. Muitas pessoas influentes e até mesmo políticos, fizeram parte da irmandade: George Washington, Hugo Chávez, Príncipe Philip e até mesmo nosso ex-governador Esperidião Amim. Existem 6 milhões de maçons no mundo, um a cada 250 homens adultos, porém nos EUA são um a cada 50, um número bem mais alto.

Nosso objetivo é instigar a mente de nossos companheiros de estudo para o mundo incrível e misterioso das obras de ficção, escolhemos O símbolo perdido nova obra do renomado escritor americano Dan Brown,em suas obra Dan Brown explora diferentes assuntos relacionados principalmente a religião,e a historia.

Queremos convencer nossos companheiros de estudo que esta obra é suficientemente grandiosa para ser lida com prazer,para termos vontade de ler o livro e que não seja a mais uma de tantas atividades cansativas que fazemos por pura obrigação.Queremos mostrar que depois de lido pelo menos 2 capítulos de nossa obra escolhida não terão mais vontade de largar essa historia excepcionalmente magnífica,Dan Brown diferentemente de muitos leitores considerados ‘’bons’’ não esquece de que jovens e públicos intermediários como adolescentes não querem ler sobre historias antigas e de coisas obvias,ele sabe que precisamos instigar  nossas mentes,botar nossa conhecimento a prova,deixar nossa idéias e pensamentos dentro da trama, tentando de maneira criativa interagir com o livro.Estamos em fase de auto-descoberta não podemos enfiar por garganta a baixo(ou cérebro) historias que não nos realmente interresam,assuntos que ouvimos todo dia ou coisas antigas e com linguagem complicada que nem nossos bisavós  teriam paciência de escutar.Filme será lançado em breve!

Dan Brown

Capa de "O Símbolo Perdido"

Leitores: ???

_______________________________________________________________________________________

O menino do Pijama Listrado

Bruno é um menino de nove anos que mora em Berlim com a família e sabe muito pouco da vida além do que acontece fora de sua casa e escola. O que ele descobre logo no ínicio do livro é que ele e a família terão que se mudar de Berlim, por conta do emprego do pai e ordens de seu chefe. O livro acontece na década de 40, em plena segunda guerra mundial o pai de Bruno é um militar alemão que trabalha diretamente a Hitler e a família muda para a casa vizinha ao campo aonde Hitler mantia seus empregados . Com o passar do tempo Bruno vai se adaptando a nova situação descobrindo mais sobre a família, sobre a Alemanha e sobre os vizinhos que moram do outro lado da cerca e só vestem a mesmo traje. E é por acaso que em uma caminhada pela redondezas, Bruno faz amizade com um menino do outro lado da cerca que sempre veste um curioso pijama listrado. E essa amizade mudará a vida de ambos.

Biografia de John Boyne

O escritor nasce em 30 de abril de 1971. John Boyne é um romancista Irlandês. Começou a escrever histórias aos 19 anos e teve o primeiro romance publicado dez anos depois, trabalhou em uma livraria dos 25 aos 32 anos. Boyne lançou recentemente seu sétimo romance “The House of Special Purpose”, ou “O Palácio de Inverno” na edição brasileira, assim como uma quantidade de contos que foram publicados em várias antologias e transmitidos por rádio e televisão. Seus romances foram publicados em 29 idiomas. “The Boy in the Striped Pyjamas”, “O menino do pijama listrado” no Brasil é um “mais vendido” em Nova York e uma adaptação para o cinema começou a ser filmada em abril de 2007.

Essa obra também foi transformada em um filme.

[/caption]

Sobre o Autor

O escritor português José Saramago. Tido como um escritor polêmico, Saramago foi um dos mais importantes homens de letras da língua portuguesa do século XX e, talvez, de toda a história.

O nome verdadeiro do escritor José Saramago é José de Sousa Saramago.

Teve outras profissões além de escritor, como: serralheiro, jornalista, dramaturgo e poeta.

Nasceu em Azinhaga em 16 de novembro de 1922 e morreu na Ilha de Lanzarote (que faz parte das Ilhas Canárias) no dia 18 de junho de 2010.

José Saramago

Curiosidades

* Único escritor da língua portuguesa a receber o prêmio Nobel de Literatura, em 1998, Saramago iniciou sua vida profissional longe dos livros, trabalhando como serralheiro mecânico.

*O estilo literário de Saramago é único na língua portuguesa. Quer um exemplo? Ele praticamente não usa travessões nos diálogos.

*Sua mudança de Portugal para as Ilhas Canárias ocorreu, pelo menos em grande parte, por causa das críticas ao livro O Evangelho Segundo Jesus Cristo.

*Saramago foi um grande crítico do Papa Bento XVI na época em que ele respondia apenas por Cardeal Joseph Ratzinger.

*Ele também foi duramente criticado pela direita norte-americana quando ganhou o prêmio Nobel de literatura, talvez por seu ateísmo e suas posições políticas de esquerda.

Links

http://genedegenio.blogspot.com/2010/06/curiosidades-e-citacoes-de-jose.html

www.overbo.com.br
http://estb.msn.com/i/CA/C3CE6D3A49224998D088BD5F4058F.jpg

Leitores: Mauro, Frederico, Etiene, Eduardo, João Vitor e Rodrigo Dolsan.

___________________________________________________________

A Cabana (The Shack)

O livro “A Cabana” conta a história de um pai que perde um de seus filhos – sua filha mais nova – numa viagem de acampamento. Vestígios de que ela foi assassinada são encontrados numa cabana. Triste com a perda, anos mais tarde, ele recebe um bilhete aparentemente escrito por Deus, que pede para que ele volte à Cabana onde aconteceu a tragédia.

Uma história comovente em que são ensinados o segundo lado do considerado MAIS PODEROSO há milênios: Deus. Com um desfecho emocionante, “A Cabana” ensina através de palavras “ocultas” o que na verdade pode ser o verdadeiro Deus e o que ele pensa a respeito de nós, humanos.

“A Cabana” é um livro de ficção religiosa, com conteúdo de suspense e uma história fascinante, e que leva os leitores a mergulharem nas suas imaginações, faz os leitores se comoverem com a suposta leitura.

O livro conta a história de Mack Allen Phillips, pai de família, que um dia decidiu viajar com seus filhos durante as férias escolares deles. Nesta viajem, sua filha mais nova acaba sendo seqüestrada, e vestígios de que ela foi assassinada acabam sendo encontrados numa cabana.

Anos depois ele recebe um estranho bilhete que, aparentemente escrito por Deus, convida-o a voltar à cabana onde aconteceu a tragédia. Apesar de assustado, ele vai ao encontro do lugar, com a esperança de realmente encontrar a resposta para suas dúvidas.

Sobre o Autor: O autor da obra, William P. Young, coloca o leitor numa viagem fantástica a vários mundos imaginários que, criados para pensar, dão a ideia de que Deus, o qual as pessoas hoje ainda são fascinadas, pode ter outra face.

O mais incrível da obra, é o modo em que a história pode contar duas versões em uma. A versão Deus com o segundo lado, e a versão ateísta, que tenta convencer o público leitor de “A Cabana”, que podemos viver sem uma “Força Superior”.

William P. Young

O livro “A Cabana” é reconhecido no mercado por ser repassado por primeiros leitores encantados a outros que ainda não conheciam a obra. Sendo, assim, um sucesso de vendas, principalmente, para públicos jovens e adultos.

Com emoções deliciosas, pode-se dizer que esta obra é companheira para todos os momentos e para todos os lugares, nas melhores e nas piores horas.

Curiosidades:

Apesar de o livro ser de ficção RELIGIOSA, pode ser lido, também, por pessoas que não creem na religião propriamente dita: ateus, por exemplo.

Autor

William Paul Young (Alberta, 11 de maio de 1955) é um escritor do Canadá. O mais velho de quatro filhos, Young passou grande parte da sua infância na Papua Nova Guiné, junto com seus pais missionários, numa comunidade tribal. Os membros da tribo vieram a se tornar parte de sua família. O fato de ser a única criança branca na comunidade e que sabia falar sua língua veio a garantir um incomum acesso à cultura e à comunidade local. Pagou seus estudos religiosos trabalhando com DJ, salva-vidas e em diversos outros empregos temporários. Formou-se em Religião em Oregon, nos EUA. A sua obra mais conhecida é “A Cabana”.

Links:
http://pt.wikipedia.org/wiki/A_Cabana

Leitores: Amanda, Amanda Mendonça, Thaís Seibel, Mariana, Erika, Andercleia, Weslley.

___________________________________________________________

Melancia

O livro melancia conta a história de uma mulher de 29 anos Claire, que te uma filha recém-nascida e um marido que acaba de confessar ter um caso com a vizinha, que também é casada e trabalha como garçonete. Claramente pode-se vê que ela teve seu coração partido, além de ficar gorda por causa de sua gravidez, o que a faz pensar que parece uma melancia. Ela com todos seus problemas resolve voltar para sua antiga casa junto com sua família, duas irmãs, umas delas meio que demolidora de corações e a outra muito oculta, sua mãe é uma viciada em novelas e uma má cozinheira e seu pai a beira de um ataque de nervos.

Claire passa por um momento de depressão bebendo e chorando muito, ela começa se alto avaliar sobre seu físico e seu conturbado casamento, resolve começar as coisas quando James, seu ex-marido volta de repente, mas o que ela não esperava é que se apaixonaria por um amigo de sua irmã, Adam. Ela chega a pensar que sua irmã Helen tem um caso com Adam, mas no final tudo se resolve e ela percebe ter sido uma tola por não perceber que todo tempo Adam a amava de verdade e seu ex-marido só a fizera infeliz.

A capa do livro "Melancia"

Quem é Marian Keyes?

Marian nasceu em Limerick na Irlanda, em 10 de setembro de 1963. Ela gradou-se em direito na Dublin University, mais nunca trabalhou nessa profissão. Morou em londres  por muitos anos e trabalhou de garçonete e em escritorios.

Keyes teve tambem recaidas, se vicio em bebidas e teve  uma tentativa de suicídio, mais Marian lutou contra isso.Após superar alcançou o sucesso como escritora, bem sucedida.

Criou varios best sellers como Chick Lit, os seus livros exploram o universo feminino com leveza e humor, ela aborda temas delicados, como a depressão pó-parto, luto e tambem violência domestica, ela coloca no personagem dos livros perfis realistas para que o leitor se indetifique.

Marian Keyes

Leitores: Amábile Carolina, Tais Ferreira e Tuany Reus

Anúncios

9 comentários

  1. Já li o Símbolo Perdido, é um livro muito interessante, como todos os livros do autor Dan Brown.
    Fala sobre a maçonaria, algumas coisas são verdades e outras ficçõa(muito exagerada).
    É um bom livro, pois é um suspense, a pessoa lê cada vez mais, pra poder saber qual é o final, que é muito surprendente, pra mim o final é inesperado, o autor prende o leitor na aventura de Roberto Lagdon.
    O ponto negativo da obra, que tem coisas muito ficitícias, que não tem o menor senso de realidade.


    • Ótimo comentário, Frederico. E de todas as obras do autor, por qual você indica começar a leitura?


  2. O resumo a respeito do livro “A Cabana” me interessou bastante , pois sempre ouvi a respeito mas nunca soube qual a sua temática. Agora que estou inteirada, quero também “desvendar este mistério” que ele nos propõe: Deus. Afinal Este é a maior incógnita que o mundo já teve (e ainda tem), pois o divino, além de encantar, assusta. Pareceu-me ser uma história muito boa, pois envolve a realidade, e também o que supostamente há por trás dela, de todos os pontos de vista ( os que crêem e os ateus). Também gostei da biografia do autor; aliás, acho que a sua experiência de vida foi uma grande inspiração para escrever.


  3. Esta prateleira está mesmo cheia! Que beleza! Vamos lá! Li “A Cabana” ano passado, num momento em que precisava ler por puro lazer. Gostei bastante, principalmente da parte em que aparece O Espírito Santo. Imaginei várias cenas pra se transformar em filme. Parabéns, gurizada!


  4. Já li alguns livros de José Saramago. Tenho um na minha estante esperando para ser lido: Intermitências da Morte. E quando a gurizada chegou com a obra “Caim”, fiquei encantada. A obra é bem polêmica! Afinal José Saramago é José Saramago. Parabéns, meninos.


  5. “Melancia” me chamou bastante a atenção. Pela história, pela linguagem e até pela capa. Acredito que deva ser uma destas obras com a qual o leitor se identifica com a personagem. Mais um para minha estante! Obrigada pela indicação, leitores. Parabéns!


  6. “O guia do Mochileiro das Galáxias” me parece ser um livro que instiga curiosidade e nos transporta para diferentes mundos. Por exemplo: como seria o restaurante do fim do universo? Gurizada, parabéns pela escolha da obra!


  7. Comecei a ler “A cabana” e estou super curiosa com o desenrolar da história. Tenho curiosidade em ler também “Melancia” pela capa fofa e pelo tipo de história, com muitas confusões, que me chama a atenção.



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: